Durma melhor e controle o apetite

Na verdade, o sono e a alimentação têm uma relação próxima. O nosso organismo segue um ritmo inato, chamado cicardiano. É como se fosse um relógio interno que regula as funções biológicas e vitais, num período de 24 horas, incluindo a vigília (tempo acordado) e o sono. O que comemos, como comemos e em que horários interfere neste ritmo, inclusive no horário e qualidade do nosso sono. Mas o nosso sono também interfere na nossa alimentação.

Existe uma associação entre os problemas de sono e um elevado índice de massa corporal. Quando dormimos, mecanismos complexos de regulação hormonal ocorrem no nosso sistema nervoso central que, entre outras funções, controlam o nosso apetite.

Pense num período em que: mudou de emprego, teve um filho, estava preocupado com uma situação específica, estava em viagem ou tinha projetos importantes. É possível que nessas situações tenha sentido dificuldade em dormir. E também é possível que essas situações se tenham prolongado por algum tempo e tenha começado a comer para compensar. Um pacote de batatas fritas quando vai abastecer o carro, uma tablete de chocolate enquanto trabalha, salgados e outras comidas com assas – no fundo, comida bem rica em hidratos simples. Esta comida que nos entra rapidamente no sistema, conforta-nos. Exerce uma função em períodos de carência de sono.

O que fazer então?

Se sofre de insónias, as dicas seguintes, provavelmente, não serão suficientes. A insónia é um problema crónico em iniciar ou manter o sono, que afeta negativamente o nosso bem-estar durante o dia. Neste caso, é recomendada a procura de ajuda de um profissional da área. Porém, se tem experimentado dificuldades de sono, deixo-lhe de seguida algumas recomendações para desenvolver a sua higiene de sono. Isso significa ter hábitos que o ajudem a dormir bem.

  1. Crie um ambiente confortável e escuro para dormir
  2. Desligue-se da tecnologia a seguir ao jantar
  3. Mantenha um ritmo regular de deitar e acordar
  4. Durma entre 7-8 horas
  5. Não se obrigue a dormir. Saia da cama se não conseguir adormecer, sente-se num sítio confortável, no escuro, e deixe a sua mente desligar
  6. Faça exercício regular, mas evite treinar perto da hora de dormir

Nota importante: há situações que nos fazem perder o sono, porque não conseguimos parar de pensar nelas. Isto chama-se intrusão de pensamento e, basicamente, é como termos um parasita que não nos quer largar.

Identifique o que é que normalmente o deixa assim. Lutar contra os pensamentos só os reforça. Por isso, deixo-lhe um desafio: cuide do seu sono e sinta-se capaz de mudar a sua alimentação. E se quiser ir mais longe aborde um especialista de nutrição e de exercício físico.

Nota: se precisar de ajuda para mudar o padrão de sono, procure um especialista: um médico especializado no sono ou um psicólogo cognitivo-comportamental são exemplos de profissionais que o poderão ajudar.

Este artigo foi escrito por Cassiana Tavares, psicóloga e investigadora em trabalho e saúde.